Sempre poeta

Poeta, sempre poeta

Poeta, onde mora a razão?

Poeta, seu cabelo ao vento
te lembra alguma emoção?

Poeta de agosto
de setembro

As águas de março te lembram a
questão?

Poeta de meiados de junho
do início de julho

Onde está a razão?

Poeta assombrado
Que olha pros lados

Tem alguma visão?

Poeta de fim de semana
E de semana toda

Qual é a definição?

Poeta maluco
Poeta doente
Sua mente ausente

Onde anda a razão?

Poeta caduco e
delinquente

Não vê que isso tudo
Não passa de
alucinação.

Poeta contente
Escreve pro mundo
Que enxerga em sua contemplação.

Poeta sem dente
Que escreve no muro

Onde está a sua razão?

Se perdeu no espaço
De sua vida louca

Enquanto tentava acordar
e não dormir.

Enquanto procurava chegar
e não sair

Enquanto desejava pular
e não cair

Poeta, sempre poeta

Poeta da conspiração
Poeta da contramão

Poeta, sempre poeta

Poeta da loucura
e do desejo de ser poeta
e não ser
(sempre poeta)

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s