Ladainha em dó <

Dizei-me
Dizei-me
Por favor.

Fala-me
Diga-me
grite
com fervor

E agora meu Deus
E agora Javé
E agora Jeová

Mãe terra
Mãe Terra
Venha abençoar

O amor se perdeu
O amor que restou
onde está?
onde está?

Saberíamos bem
Saberíamos ouvir
Aprendemos a cuidar
Aprendemos a matar

E agora José,
E agora João
Maria, onde está?

E agora Tereza?
E agora?

Perdeu-se a paz por aqui
Perdida não soube voltar

E agora
Crianças Perdidas
Sem proteção

Mais massacradas
Mais iludidas
Perdidas
Sem proteção.

Querem prender as crianças
Querem prender a esperança
E pra isso detém o poder

O poder de viver
O poder de curar
A vida desejam matar

E agora irmão?
E agora irmã?
O que podemos fazer?

Se não somos irmãos
Perdidos
Seremos o quê?

São as crianças desta
nação sem noção
que pagam o preço do pão
E o mensalão corre solto
E o helicóptero voa e
transborda ambição.

E as crianças são presas
Perdidas, sem sobremesa
Mãe e pai não tem não

Não vá dizer que é fácil
Não vá dizer que é justiça
A justiça nasce da contradição

E agora?
E agora?
Diz agora?

Enquanto a escola doente
Professor não ensina
Família delinquente

E agora
Vem dizer que a justiça
Pode prender o menor

O menor já está preso
Encarcerado na vida
Sem justiça,
Sem família,
Sem amor

O Estado que mata
Que rouba e condena
Não há justiça, só há dor

Históricamente
Se vê a desgraça
De um país condenado
À dura repartição
Dos bens à deriva

Na visão distorcida
Ricos + ricos ainda

E pro pobre o que resta?
Uma saúde excludente
Educação pra aturar o patrão.

E agora?
E agora?
E agora?

Um sistema prisional
………….maltratado
Crianças refém do Estado.

O Estado que mata
e condena o menor

E agora José?
E agora João?
Maria inteceda por nós

Para o menor não
……….morrer
Na cela da opressão
Se vingue e nos dê
…………..sua mão.

Não venha dizer que o
menor já matou
O menor já morreu também.
O menor já sangrou também

Não venha dizer que
Tem opinião formada
E que obtém a razão
A razão é de quem?
Opinião se/te forma e deforma.

O menor já morreu
Quem foi que o matou?
Em vida
Sociedade mesquinha
Danifica o menor e o maior.

Shiva
Krishna
Buda
Alá
Jesus

Maria
Maria Madalena

Aos mortos e vivos dessa terra
Por todas as nações perdidas
Desesperadas, maltratadas
Dizimadas
Nações indígenas, africanas
tupi-guarani
aos incas, os maias e os astecas

Oh mãe
Xangô
Yemanjá
Oxalá
Oxum
Yorubá

Salve Salve
Os filhos dessa terra
Absolva-os da lei dos homens maus

Proteja as crianças
Proteja a esperança

“Jesus protege as criancinhas”

As criancinhas estão perdidas
E estrupadas
Envenenadas
pela nação sem noção

Não vão dizer que são homens formados
Porque estão nas ruas descalço
Matando, roubando, furtando

Que foi que permitiu?
Quem foi que encobriu?

E agora tacar meninos na cela
Para aprenderem como é a dor
Mas a dor que já sentem
Já é horror…

E agora?
E agora?
E agora?

E agora?
E agora?
E agora?

Enquanto isso tem senador
deputado
vereador
governador
prefeito

que agradece os militares
pelo golve civil militar
no Brasil

Salvaram o “país” do comunismo.

Comunismo!?
O que é?

Não mais crianças largadas na rua à deriva
Nada de fome e miséria.

(…) (continua…)

Advertisements

3 thoughts on “Ladainha em dó <

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s