Tem no trem

Aos trabalhadores do
trem
Nós vemos
A luta
Diária
No trampo
Pesado
De lá e pra cá
Indo e voltar
No trem
A luta
Diária
Trabalha
Vai trabalhar
Uns vão
Outros voltam
E aqueles
Vão e voltam
Pendurado
Abre a porta
Entra e sai
Vem um bonde
Passa outro
Picolé, isopor, guaraná
Capa pra celular
Vende bala
Biscoito recheado na promoção
Tem lá.
Indo e volta
Volta e vem
Pesado
Tem criança também tem
Tem criança
Tem idoso
Tem senhora no vagão
Tem coroa pedindo esmola
Tem crente fazendo sermão
Tem pedido de ajuda para instituição.
Vem de trem
De trem vem
Sorriso banguelo
História singela
Da sua casa
Seu bairro
Sua rua
Tem também
Cada um tem uma
história pra contar
Umas mais tristes
Outras felizes
podem estar
o que será
que vem de trem
o que se vê?
o que se tem?

ah!
essa é boa
tô aqui
parada
sentada
dentro do trem
a uma hora
esperando esse
trem
se mandar
e me levar
para ir trabalhar
mas não dá
essa porra
não sai.

*

geral
na maior
inquietação
pra seu
destino
seguir
e seu horário
cumprir
mas,
o maquinista
deu o sinal
disse
pelo auto falante
“genial”
Este trem está
aguardando
“ordem
para
circular”

*

E pergunto-me
 agora
De quem vem
Essa ordem
afinal?
Coloque esse trem
pra rodar!

E agora eu vejo um menino de
uns 8/9 anos distribuindo
bilhetinhos com pedido de
ajuda nos vagões do trem.
Isso é justo? Um menorzinho se
humilhando pra pedir dinheiro
a sujeitos desconhecidos? Quem
será a mãe e o pai, a família deste
menino, aonde será que estão?
Como essa criança vai crescer/ se formar
aprender a partir desta formação já
em decepção? Não dá para entender.
O que mais os filhos pobres desta terra
passarão? Como ainda mais sentir
doer?

“E agora vê-de na dura ausência
orgânica da sede.”